OS EFEITOS DO DESASTRE BIOLÓGICO COVI-D ATRAVÉS DA INTERSECSIONALIDADE DA POPULAÇÃO NEGRA

  • Alice Pacheco Oliveira
  • Carla Nunes
  • Adriano de Almeida Machado Pistorello

Resumo

A sociedade moderna tem sua base estrutural fundada no capitalismo exploratório. Esse modelo sedimentado e limitador mantém a estrutura social brasileira estratificada com relação ao ideal de mobilidade econômico-social de forma que a alteração de condição social é praticamente imutável desde a escravidão implementada país. Esse modelo, mantém há séculos, o mesmo grupo social alijado do poder e da tomada de decisões, colocando-os na posição de objeto de políticas e não sujeito orientador das mesmas. Referidas políticas têm resultado em um ciclo interminável de políticas excludentes da população mais carente, esta composta majoritariamente por pretos e pardos. Assim, essa ausência de uma política pública efetiva capaz de minimizar os efeitos das desigualdades, se revelou uma escolha de estado pela morte de alguns dos seus cidadãos.

Como Citar
Oliveira, A., Nunes, C., & Pistorello, A. (1). OS EFEITOS DO DESASTRE BIOLÓGICO COVI-D ATRAVÉS DA INTERSECSIONALIDADE DA POPULAÇÃO NEGRA. Revista Do Curso De Direito Da FSG, 1(24), 1-11. Recuperado de https://ojs.fsg.edu.br/index.php/direito/article/view/5232