QUALIDADE DE VIDA E PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES PRATICANTES DO MÉTODO PILATES

  • Thays Cipriano Rech
  • Vanessa Pereira da Silva
  • Fabrício Rodrigues Borges
  • Valéria de Moraes Rosa
  • Lidiane Barazzetti FSG

Resumo

Contextualização: O Método Pilates pode contribuir, consideravelmente, para melhora da flexibilidade, alinhamento e correção postural, mobilidade vertebral, fortalecimento do assoalho pélvico, estabilização, equilíbrio e tonicidade muscular. Contribui, ainda, para a diminuição de quadros de dores, reabilitação de lesões ortopédicas e neurológicas; controle, prevenção e tratamento de doenças crônicas como incontinência urinária e Parkinson, atingindo também aspectos psicossociais. Objetivo: Verificar a qualidade de vida e prevalência de incontinência urinária em mulheres praticantes do Método Pilates. Descrever o perfil epidemiológico das mulheres praticantes do Método Pilates. Metodologia: Trata-se de um estudo analítico observacional transversal, onde a amostra foi constituída por mulheres acima dos 40 anos de idade, participantes ativas do Método Pilates sendo este realizado pelo menos 1x na semana, em uma clínica da cidade de Caxias do Sul, RS. Resultados e Conclusão: A variável desfecho qualidade de vida apresentou uma prevalência de 80,3% para desempenho suficiente e 19,7% insuficiente, em relação a perda urinaria apenas 15,5% das mulheres relataram ter perda de urina. Esteve associada ao desfecho a variável ocupação, onde aquelas mulheres que não tinham ocupação remunerada apresentaram prevalências maiores de qualidade de vida insuficiente.

Publicado
2022-07-11
Seção
Saúde e Ciências Agroveterinárias - Artigo Completo