PERDA DE PESO PÓS COVID-19 EM PACIENTES ATENDIDOS EM UM PROJETO DE REABILITAÇÃO CARDIOPULMONAR NA CIDADE DE CAXIAS DO SUL/RS

  • Bruna Rech FSG Centro Universitário
  • Lais Dandara Freitas Lopes FSG Centro Universitário
  • Luana Paula Bernardo Flores FSG Centro Universitário
  • Joana Zanotti FSG

Resumo

INTRODUÇÃO/REFERENCIAL TEÓRICO: No final do ano de 2019, foi constatado em Whuan, na China, uma nova infecção sem causas previamente definidas, que despertou certo interesse das autoridades sanitárias.  No mês de janeiro do ano seguinte, esse interesse passou a ser internacional, e imediatamente, foi decretado estado de emergência de saúde pública, por se tratar de uma síndrome respiratória que começou a se alastrar muito rápido, batizada pela Organização Mundial da Saúde como Covid-19, sendo em março de 2020, determinada a pandemia mundial (HU et al., 2020). Essa patologia é causada por uma síndrome aguda respiratória extremamente propagativa causada pelo novo coronavírus, caracterizado pelo agente etiológico SARS-CoV-2. É chamado de novo, pois outras epidemias já foram relacionadas a família coronavírus, como por exemplo SARS-CoV-1 e o MERS nos anos de 2003 e 2012, respectivamente, porém ambos sem tal magnitude e peculiar rapidez de transmissão (Wang et al., 2020). Durante o quadro de Covid-19 percebeu-se a perda de peso dos indivíduos acometidos pela doença, pelo fato da infecção desencadear uma inflamação, o que acaba prejudicando a homeostase dos tecidos e desestabilizando o metabolismo (Zeng F et al., 2020; Morley JE et al., 2020; Jin Y et al., 2020; Virgens IPA et al., 2020). Outro fator que influencia na perda de peso nos pacientes com Covid-19 é a ingestão alimentar prejudicada, causada principalmente pela falta de apetite, perda de paladar e sedação. Todos esses fatores acabam levando o indivíduo a um overdrive catabólico podendo ocasionar até mesmo um quadro de desnutrição e evoluir para sarcopenia (Li T et al., 2021; Di Filippo L et al., 2021; Bedock D et al., 2021). Este estudo tem como objetivo avaliar a perda de peso pós infecção por Covid-19 em pacientes atendidos em um projeto de reabilitação cardiopulmonar na cidade de Caxias do Sul/RS. MATERIAIS E MÉTODOS: O presente trabalho faz parte de uma atividade extensionista, com amostra obtida por conveniência, tendo como participantes indivíduos pós Covid-19 atendidos no ambulatório de nutrição. A perda de peso foi avaliada através do peso usual do paciente (antes da infecção) e do peso atual aferido no momento da consulta nutricional. RESULTADOS E DISCUSSÕES: Participaram do estudo sete indivíduos, sendo 05 do sexo feminino, com idade entre 23 e 63 anos (idade média 50,5 anos), constatou-se que houve uma perda de peso em 85,7% (n=6) da amostra. Entre as mulheres, a porcentagem de perda de peso máxima foi de 21,3%, onde o peso inicial foi de 62kg e final de 48,8kg e de perda mínima 2,59%, com peso inicial de 112kg e final de 109,1kg. Entre os homens, igualmente ambos perderam peso, onde o primeiro, com 126kg, perdeu 4,5kg e o segundo, com 125kg, perdeu 7kg. No estudo realizado por Di Filippo et al. (2020), em que 213 pacientes tiveram um diagnóstico positivo para Covid-19 em um Hospital Universitário (HU) localizado em Milão na Itália, a perda de peso também foi evidenciada, onde, 61 dos 213 indivíduos tiveram uma perda superior a 5% do seu peso inicial e, diante da investigação, os autores constataram que, pós remissão clínica, a perda de peso e riscos de desnutrição foram predominantes em pacientes com a Covid-19 e alertaram que três fatores devem ser considerados a fim de prevenir que isso ocorra: prevenção, diagnóstico e tratamento de desnutrição. O mesmo foi observado por Haraj et al. (2021), em um estudo realizado no HU da cidade de Casablanca, em Marrocos, com 41 pacientes e desses, 14,6% sofriam com desnutrição e 65,9% apresentavam chances de desnutrição, marcando uma perda de peso considerável pós infecção por coronavírus. A desnutrição pode ser contextualizada devido à redução alimentar e ao aumento de gasto energético que o corpo demanda quando ligado à ventilação durante a infecção respiratória, dessa forma, é importante ressaltar que o estado nutricional torna-se bastante pertinente quando o paciente é internado na UTI e pode ser determinante quanto à melhora ou não do paciente (Mendes et al., 2020 e Haraj et al., 2021), assim, os profissionais nutricionistas assumem um papel de extrema importância na regulação da imunidade, no tratamento e prevenção dessas patologias, bem como nos pacientes acometidos pela Covid-19 (Calder PC et al., 2020; Derbyshire E et al., 2020).   CONCLUSÃO: O presente trabalho concluiu que a maioria dos pacientes que foram diagnosticados e internados com a COVID-19 sofreram com perda de peso. Uma forma bastante favorável de evitar tal efeito é levantar o perfil nutricional e iniciar a terapia nutricional tão rapidamente quanto seja necessário, a fim de melhorar o prognóstico a curto e longo prazo.

Biografia do Autor

Joana Zanotti, FSG

Nutricionista. Especialista em Clínica e Terapêutica Nutricional. Mestra em Ciências Médicas

Publicado
2021-07-27
Seção
Saúde Pública: estratégias de saúde familiar, promoção de saúde pública, epidemiologia, vigilância sanitária e ambiental