INFLUÊNCIA DO MODELO DE CULTIVO NA POSTURA E PREVALÊNCIA DA DOR NA COLUNA VERTEBRAL EM PRODUTORES DE MORANGO

ANÁLISE DE DESVIOS POSTURAIS E PREVALÊNCIA DE DOR

  • Tuane Miorelli Rigatti Centro Universitário da Serra Gaúcha
  • William Dhein
  • Marcelo La Torre
  • Jackson de Souza

Resumo

Introdução: O cultivo do morango é uma importante fonte de renda de agricultores
brasileiros. O cultivo pode ser feito no modelo tradicional, onde o produtor necessita flexionar
o tronco para manusear a muda, enquanto que no cultivo hidropônico fica posicionado de
forma ereta. Objetivo: Verificar a influência do modelo de cultivo na postura e prevalência de
dor na coluna vertebral em produtores de morango. Método: Participaram 26 produtores de
morango de diferentes modelos de cultivo (tradicional e hidropônico). Os valores angulares
das curvaturas da coluna torácica e lombar no plano sagital foram obtidas por meio do método
“flexicurva” e a prevalência de dor através do questionário “Informações sobre dor nas
costas”. Os grupos foram comparados com o teste t para amostras independentes e o teste de
qui-quadrado. Resultados: Os produtores de morango que plantam a fruta no modelo
tradicional apresentam maiores curvaturas na coluna torácica (45,5±26,2º) quando comparado
aos do modelo hidropônico (24,4±10,3º). Houve associação entre as classificações da coluna
torácica e dor cervical, demonstrando maior prevalência de hipercifose torácica e dor na
cervical no modelo tradicional e curvatura normal no hidropônico. Ambos os grupos
apresentam maor prevalência de dor lombar. Conclusão: Pode-se que concluir que houve
influência do modelo de cultivo na postura e prevalência de dor na coluna vertebral em
produtores de morango. Os produtores que manuseiam a fruta no modelo tradicional possuem
maiores angulações na coluna torácica, prevalência de hipercifose, retificação lombar e dores
na região cervical em comparação aos trabalhadores que manuseiam a fruta no modelo
hidropônico.

Publicado
2021-07-27
Seção
Saúde Pública: estratégias de saúde familiar, promoção de saúde pública, epidemiologia, vigilância sanitária e ambiental