PROBLEMAS SOCIOAMBIENTAIS NA SAÚDE COLETIVA

REVISÃO DE LITERATURA

  • Mariana Kathleen Costa FSG- CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA GAÚCHA
  • Leonardo Constante Aver
  • Rosana Pinheiro Lunelli

Resumo

INTRODUÇÃO: Os problemas ambientais são problemas eminentemente sociais, gerados e atravessados por um conjunto de processos sociais e, como tais, só vieram à tona porque, como ambientes criados, não se encontram alheio à vida social humana, mas são completamente penetrados e reordenados por ela, confundindo atualmente o que é natural com o que é social. Sendo assim, o objetivo da pesquisa é descrever os achados presentes na literatura científica acerca do processo da saúde coletiva. MATERIAL E MÉTODOS: Trata-se de uma revisão de literatura, cujos artigos selecionados foram encontrados na base de dados Scielo. A busca ocorreu através do idioma português. Os termos utilizados para a pesquisa foram  "problemas ambientais“, totalizando 55 artigos encontrados, sendo selecionados 4 para compor a estrutura do trabalho. O corte temporal adotado foi de artigos publicados entre os anos 2018 a 2023 e o período de busca compreendeu o mês de maio de 2023. RESULTADOS E DISCUSSÕES: A preocupação com os efeitos na saúde provocados pelas condições ambientais é evidente desde a antiguidade, envolvendo problemas, tais como os efeitos do clima no balanço dos humores do corpo, os miasmas, as sujeiras e os odores. Assim, sempre esteve presente nos diferentes discursos e práticas sanitárias que se constituíram como respostas sociais às necessidades e aos problemas de saúde. Os temas relativos à saúde são incorporados na pauta das reivindicações dos movimentos sociais e surgem propostas de compreensão da crise sanitária como fundamentalmente um processo político e social, recebendo a denominação de medicina social. Ao contrário do higienismo para o qual o ambiente era um objeto medicalizado através de um conjunto de normatizações e preceitos a serem seguidos e aplicados no âmbito individual, a participação política é concebida como principal estratégia de transformação da realidade de saúde. O advento do paradigma microbiano nas ciências básicas da saúde representou um grande reforço a este movimento que, tornado hegemônico e batizado de saúde pública, reorienta as diretrizes dos discursos e das práticas ocidentais no campo da saúde social. Indubitavelmente, com o paradigma microbiano, o ambiente de foco dos discursos e das práticas da saúde pública é o doméstico, que deveria ser purificado, limpo e arejado, sendo isto considerado vital para a saúde dos seus habitantes, particularmente as crianças. CONCLUSÃO: A ampliação da compreensão dos problemas ambientais como não somente restritos aos aspectos de saneamento e controle de vetores, bem como a recuperação da dimensão política e social dos mesmos pode, em grande parte, ser atribuída às questões que passaram a ser colocadas pelo movimento ambientalista.

 

REFERÊNCIAS

FREITAS, Carlos Machado de. Problemas ambientais, saúde coletiva e ciências sociais. Scielo, Rio de Janeiro, p. 1-14, dez. 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/MnktxFwcHGF6XLycPjsyQks/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 05 de maio de 2023.

MACHADO, Isis Laynne de Oliveira et al. Proteção ao meio ambiente e às gerações futuras: desdobramentos e reflexões bioética. Review, Brasília, v. 44, n. 124, p. 1-12, mar. 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/qwqC4w64RTNh7PJDQHgqdNF/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 05 de maio de 2023.

Publicado
2023-08-14